Pular para o conteúdo principal

É possível aprender Yoga sozinho?

A resposta é: NÃO!
 
Antes de mais nada, deixo claro que, quando me refiro ao Yoga, não estou falando apenas das posturas, e sim de todo o conjunto de uma Vida de Yoga, uma vida de valores e em busca do autoconhecimento.

Autodidata é aquele que não tem professores ou mestres, que intui um conhecimento. Mas um autodidata que aprende em livros, será que o autor não é seu professor? Um autodidata que aprende assistindo outras pessoas realizando alguma tarefa, será que essa pessoa não se torna o professor? 


Ou seja, um conhecimento para ser só seu, precisa ser descoberto e intuído por você, e você só pode conhecer coisas que sejam diferentes de si. Um músico autodidata, ouve músicas, treina seu ouvido para perceber notas e tons e assim consegue tocar um instrumento. O músico é diferente da música. Um marceneiro que aprende vendo outros marceneiros trabalharem e intui as técnicas, testa, etc... ele só consegue pois tem como observar a marcenaria e assim aprender a fazê-la.

Quando falamos de autoconhecimento, o sujeito e o objeto a ser conhecido são a mesma coisa, não tem como se observar com objetividade e imparcialidade, não é como quem ouve uma música ou aprende matemática lendo teorias nos livros.

Sempre que a gente se observa, criamos desculpas e exceções para nossas atitudes, justificativas para nossas ações, causas para nossas palavras, etc., faz parte do autoconhecimento uma observação sem máscaras, um olhar frio e calculista sobre nós.

Qual a chance de conseguirmos olhar para nós sem qualquer interferência? Qual a chance de olharmos nossos ‘defeitos’ e ‘qualidades’ sem qualquer filtro? Muito pouca!

O Professor vai ser aquele que te ajuda a crescer, que te ajuda a identificar seus pontos fracos e que lhe proporcionará maneiras de aprender a lidar com eles e, dependendo do caso, superá-los. Um bom professor te colocará em situações que te farão refletir, em situações que te farão passar por coisas que você tem dificuldade, e assim você pode crescer e atingir a maturidade necessária para o autoconhecimento.

Ainda que a pessoa diga que aprendeu yoga e vedanta nos textos, se ela sabe ler sânscrito ela pode até ter lido do original, mas caso contrário ela leu a tradução e muitas vezes a interpretação de alguém. E a grande joia deste estudo é o que está por detrás das palavras, num entendimento global da Tradição Védica, para que não fiquem apenas análises rasas, superficiais.

Autoconhecimento raso é fácil. Achar desculpas para suas falhas é fácil. Encarar a realidade é difícil, e é nessa situação que você cresce. 


Juliana Romera
Harih Om 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você está em Paz?

O que você considera por “estar em paz”?


Muitas vezes pensamos que só teremos paz aos domingos e feriados, onde poderemos sentar, descansar, ler um livro, ficar à toa, etc., mas essa não é a realidade da maior parte da sua vida, do nosso tempo. Temos sempre algo a fazer, a resolver, um e-mail para checar, louça para lavar, filho para cuidar, aquela atualizada nas redes sociais, e assim vai. 
Vamos então diferenciar descansar e ficar à toa de estar em paz. 
Descansar faz parte, todo mundo precisa reservar um pouco do seu tempo para isso, o corpo precisa, a mente precisa. Estar em paz é um estado, e não uma situação, um sentimento.  Fazer o que deve ser feito da melhor maneira possível te deixa em paz. É comum ouvirmos as pessoas falarem que estão com o coração em paz após tomarem alguma atitude ou após resolver alguma pendência com alguém. Estar com o coração em paz é estar em paz. Estar com o coração em paz é saber que se fez o que deveria ser feito. 
Quando o que sentimos, o que falamos e…

A Busca pela Felicidade

Todos estão na busca da Felicidade, certo? Porém, a maioria de nós está buscando no lugar errado ou forma errada. 
Se queremos ser felizes para sempre, como podemos colocar como fonte de nossa felicidade coisas finitas e impermanentes?  Esse erro vem da nossa ignorância de achar que as coisas, as pessoas ou as conquistas preenchem essa falta, essa insatisfação e, se você está se questionando se isso é verdade ou não, acompanhe meu raciocínio. 
Sou um estudante universitário, e durante o curso não vejo a hora de me formar para arranjar aquele emprego dos sonhos, afinal é isso me fará feliz, é isso que escolhi. Me formo, e percebo que esse emprego sonhado não é tão fácil assim, e acabo arrumando um que me traz uma estabilidade, pois felicidade mesmo só aquele emprego me dará. Durante esta busca, sinto que minha felicidade mesmo será completa quando eu arrumar um relacionamento afetivo, arrumo, e por um tempo sinto que achei a felicidade, era exatamente isso que me faltava. Mas logo eu pens…